segunda-feira, 1 de abril de 2013

estou quase a fazer anos # 1

Não me lembro exatamente em que ano foi, mas eu já me achava uma pré-adolescente (o que à época era um conceito inexistente), porque achei a boneca a tocar piano com o vestido feito de bolo, o pior bolo de aniversário de sempre.
Mas pronto, o facto é que eu tinha muito pouco a dizer sobre as minhas próprias festas de aniversário e quem decidia era a minha tia.
A minha tia sempre fez o papel de minha mãe, eu sempre fui a filha que não teve, o que não pensem que era fácil porque a minha tia vivia em competição com a cunhada, que tinha uma filha quatro anos mais velha que eu e muito inteligente.
(não que eu fosse burra, aliás, era tão esperta que percebi cedo que me safava melhor não revelando ao mundo que era mais inteligente que o estritamente necessário para levar a vida sem estudar muito)
Só para terem uma ideia do nível competitivo da coisa, se num dos jantares mensais que havia ora na minha casa ora na casa da cunhada da minha tia, se uma fizesse empadas de caça, era garantido que no próximo jantar a outra faria um faisão assado.
Nós míudas até nos dávamos bem, apesar de sermos muito diferentes.
Naquela época eu já namorava (pensando bem, a única fase da minha vida em que não namorei já era adulta), comprava a Bravo e queria era saber de roupa e de música e das amigas.
(já disse rapazes?)
Voltando ao bolo, não era o bolo dos meus sonhos, mas lembro-me perfeitamente de ter sido encomendado numa famosa pastelaria da Praça de Londres pelo meu tio, que trabalhava lá perto, e de ter sido admirado por todos os adultos.
(pena a festa não ser deles)
Mas o que marcou mesmo a minha festa de anos desse ano foi o single que o meu namorado me ofereceu e o que dançamos todos ao som daquilo, longe dos adultos, enfiados na garagem com uma garrafa de sumol de laranja e copos de plástico.
(uns rebeldes)


{Enola Gay - Orchestral Manoeuvres in the Dark}



(Lembro-me agora, deve ter sido no ano em que mudei do Nélson para o Gonçalo fui para o ciclo preparatório)

6 comentários :

  1. Miss Scarlet, como eu adoro esta música!
    Sumol, a bebida para todo o sempre.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. ah.. a Bravo! Um clássico! O que eu gostava dessa revista!

    ResponderEliminar
  3. Que boas memórias as da adolescência, dos namoradinhos, dos discos, dos bailes, dos vestidos... maravilha!

    Também estou quase a fazer anos... não há nada que chegue a uma Carneiro!...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. carneirinha me confesso :)
    e também era fã de sumol :p

    ResponderEliminar
  5. :DDDDDD
    Agora imagina que tinhas, a acompanhar, uma mesa de cupcakes, balões, palhinhas, decorações várias... tudo cheio de bonecas a tocar piano... só para fazer pendant!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺